14 de dezembro de 2010

Profissional ou semiprofissional - Parte 3

   Nessa terceira postagem (parte1 e parte2) sobre esse assunto bem chato vou usar mais exemplos do que não fazer ao escolher uma câmera. Infelizmente o marketing sobre esse termo "semiprofissional" não vai deixar de existir e inclusive alguns fabricantes contribuem para isso colocando este rótulo em alguns modelos mas algumas perguntas devem ser feitas:
 Leica M9: Talvez o meu maior sonho de consumo fotográfico. Pequenininha mas...é pro ou semi?

   As pessoas que já começam a pergunta dizendo que querem uma câmera semiprofissional sabem dizer o que seria uma câmera semiprofissional? Sabe definir o que seria semiprofissional? Ninguém até hoje soube me responder e nem vai saber, porque isso simplesmente NÃO existe. Vocês não podem querer uma coisa que nem sabem ao certo o que é, precisam eliminar esse termo. É a primeira coisa a se fazer para acertar na escolha de um modelo.
 Nikon L110: Totalmente automática mas há quem jure que ela é "semi"

   Outra coisa que acontece é a pessoa citar o modelo de câmera que quer e depois perguntar se ela é semiprofissional. Se não for, então ela deixa de ser interessante e vai procurar uma que seja? As especificações técnicas que antes agradaram agora não servem mais, simplesmente porque não é semiprofissional?
 A nova médio formato Pentax 645D: Usar apenas pra hobby? Nem pensar

   O termo "profissional" é mais fácil de ser eliminado. Há quem diga que qualquer câmera reflex é profissional. Será? Então, nesse caso, Canon XS e Canon 5D Mark II estão na mesma categoria, certo? Vou propor um exercício: Pesquisem sobre essas duas câmeras e vejam a diferença colossal que existe entre elas duas e vejam se é justo colocá-las numa mesma categoria. Acho que categorizar câmeras é uma coisa muito mais complexa, há muito mais subdivisões do que podemos imaginar, há várias minicategorias de câmeras e aí entram preço, especificações técnicas, material utilizado na confecção do equipamento e etc...
 Canon 5D Mark II: Para muitos, a melhor reflex full frame do mercado

   Há um tópico muito interessante e esclarecedor sobre o assunto em uma comunidade do orkut e inclusive dei alguns pitacos neste tópico aqui. Ele está um pouco grande mas para quem se interessa pelo assunto vale a pena dar uma olhada, há várias opiniões diferentes.
 Fuji S1800: Uma das superzoom mais procuradas, é considerada "semi". Será pelo seu porte?

   Agora falando de acessórios, principalmente as câmeras reflex possuem uma variada gama de acessórios para serem acoplados às lentes ou ao corpo da câmera ou até para serem usados externamente. Um deles é o grip, que entre outras funções acumula mais baterias ou pilhas recarregáveis e permite disparos com a câmera sendo usada na posição vertical. Sou conhecido por não recomendar reflex para qualquer um, não vejo necessidade disso, não acho tão necessário mas se eu perceber que a pessoa tem conhecimento suficiente até recomendo mas pra usar no automático não. E pra que falei do grip? Porque este é um acessório que só deve ser usado por profissionais mas que alguns amadores estão querendo usar também.
 Eis o grip, seria necessário para quem não é um usuário profissional?

   Já vi muita gente afirmando que iria comprar o grip mas queria saber pra que ele serve. Como? Quer comprar alguma coisa mas nem sabe o que é? Como já falei na primeira postagem desta série, não compre nada pelo status ou apenas para dizer que tem, compre o necessário e não leve tão a sério essa coisa tão gostosa que é a fotografia.

33 comentários:

  1. Bem observado... embora eu acredite que seja possível definir o que é uma câmera semiprofissional (pois não acho que seja impossível), eu não percebo nem sou a favor.

    Já vi fotógrafos de profissão que usam câmeras compactas em algumas ocasiões, logo... a referida câmera torna-se profissional? Não é bem assim... Ou será que é?

    Toda classificação é passível de erros, e ainda mais nesse meio, que envolve necessidades de recursos, poder aquisitivo e marketing, tornando tudo isso ainda mais confuso e talvez desnecessário.


    Dúvida: o que é um carro profissional? Melhor... o que é um carro semiprofissional?

    Vamos refletir...


    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a sua opinião. Espero que outros leitores venham debater a questão.

    ResponderExcluir
  3. Quanto ao gripe, eu o uso porque gosto da ergonomia, principalmente porque gosto de bater fotos na vertical, acho muito útil. Creio ser uma questão de gosto, e não de profissionalismo. :)

    ResponderExcluir
  4. Se você sabe da utilidade e tem como investir nisso, ótimo. Agora, querer comprar só por comprar, sem nem saber do que se trata é dose pra mamute...

    ResponderExcluir
  5. Acho que você nunca deve comprar algo por comprar, eu ADORO grip, ainda mais se a dslr for de entrada (corpos menores), já da 7d ou d300 pra cima eu acho dependendo do tamanho da mão de cada um, meio que desnecessário. Mas é uma questão de gosto, e não de profissionalismo como já dito...

    ResponderExcluir
  6. Palmas para vc Rodrigo, depois de ter lido os três artigos sobre câmeras "profissional" e "semiprofissional" . Estou mais convencida ainda que, o termo "semiprofissional" NÃO existe , é sim apenas uma jogada de marketing das empresas.
    Apesar de ser leiga no assunto, estou aprendendo muita coisa aqui, e sempre tive esta visão.
    E sempre acreditei piamente que profissional é a pessoa e não o "objeto" em uso. Uma pessoa pode comprar o melhor equipamento que for, mas se não souber usar, e não for profissional naquilo que faz, não irá ter qualidade naquele trabalho.
    Amei essa parte que vc disse:
    Não compre nada pelo status ou apenas para dizer que tem, compre o necessário e não leve tão a sério essa coisa tão gostosa que é a fotografia.

    Espero que as pessoas leiam isso com bastante ATENÇÃO e optem por aquilo que precisam e não por aquilo que podem ter e querem ter a qualquer custo só pra dizer que tem, mesmo sem fazer idéia de como usar, isso não só com câmeras fotográficas, mas com qualquer equipamento, se for para hobby que seja para hobby e se for profissional que seja para profissional e não para amador.

    PARABÉNS mais uma vez!!!
    Descreveu em poucas palavras, tudo que muitas pessoas precisavam ler

    ResponderExcluir
  7. Se eu receber mais um elogio seu vou me obrigar a escrever uma 4ª parte dessa série "pro ou semi", rsrsrs.

    Mas a interpretação é livre, eu interpreto desta forma. Você vai ver muitos sites e revistas especializados no assunto se referirem a algumas câmeras como "semiprofissionais" mas não dá pra seguir esse conceito só porque são empresas conceituadas. Não há uma uniformidade nessa classificação de câmeras então prefiro fazer desta forma, dividir entre pro e semi fica muito vago.

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, Rodrigo
    Tendo como um ponto de vista de que quem é profissional ou amador é o fotógrafo e não a maquina, entendo que a classificação da câmera como profissional ou semi-profissional vem das necessidades que a câmera atende para quem ira usa-lo.

    O prefixo "semi-" exprime a noção de metade, meio, quase.
    Eu, que não sou um profissional ainda, não sei manusear uma câmera que atenda a necessidade de um profissional( Lente cambiáveis, controles manuais detalhados, acessórios externos variáveis para uma foto perfeita e o máximo da maquina ) Preciso de uma maquina da qual eu possa aprender o básico das noções de fotografia, Uma câmera que NÃO necessariamente tenha uma lente cambiável, controle Manuais complexos, assim, sendo um degrau para utilizar as câmeras mais comuns que um profissional usaria em seu trabalho, profissão FOTÓGRAFO.

    Assim entendo que a maquina profissional é aquela que atenda as necessidades de um profissional, tendo sua lente cambiável e suporte para peças adicionais das mais variáveis possíveis. Tendo dentro desta classificação câmeras diversas que atendam necessidades de profissionais diferentes, seja ele um fotografo de estúdio ou de campo.

    A Semi-profissional entendo por uma câmera que tenha configurações com poucas variáveis para um público em geral, independente de suas necessidades, ela apenas dispõem de controles manuais e automático, formato robusto semelhantemente as mais completas e uma lente fixa, tendo em vista que a troca de lentes é para profissionais que sabem a função de cada uma delas em suas devidas especificações. Assim, fazendo jus ao seu prefixo "Semi-"


    ( Esse é um ponto de vista de um não profissional, eu )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso, como fica a situação da Canon G1x que possui um sensor absurdamente grande para uma compacta mas não possui lente intercambiável? O sensor dela é maior que o das mirrorless Panasonic e Olympus e quase do mesmo tamanho que as reflex com sensor APS-C como Canon 7D e Nikon D7000. Ela pode ser considerada profissional ou semi?

      Entenda também que não existem controles manuais complexos, ou possui controles manuais ou é automática. O controle manual é o mesmo de uma Nikon D800 e o de uma Canon A590 que tenho aqui e uso em muitas situações.

      O que eu acho, e tento passar aos leitores, é que classificar a câmera em pro ou semi é muito vago. Seguindo o seu raciocínio, uma Canon G1x não pode ser considerada pro nem semi pois nem tem o formato robusto que você cita.

      E o que dizer das Nikon L120, L310 e L810? Todas possuem corpos robustos, enromes, mas não tem nenhum controlezinho manual sequer. São câmeras apenas...grandes. Pelo seu critério de robustez elas seriam injustamente consideradas semi.

      E se a troca de lentes é para profissionais, o que dizer da Pentax Q? Câmera minúscula, de sensor igualmente minúsculo, qualidade próxima da sofrível mas possui lentes intercambiáveis. Possui controles manuais mas pelo seu critério de trocar lente ela seria profissional e pelo seu critério de robustez não seria pro nem semi.

      E a Leica M9? Câmera que custa 7 mil dólares, apenas o corpo. Qualidade absurda e sensor maior que o das âmeras reflex pois é full-frame. Troca lentes mas não possui o corpo robusto que seria um requisito seu para a câmera ser considerada pro. Ela cabe no bolso.

      O que fazer com todas estas câmeras que não entram na sua classificação? Consegue compreender quando eu digo que classificar câmera em pro e semi é muito vago, e gera todas essas aberrações que citei? É muito mais justo classificar a câmera pelas suas definições próprias, que existem, e classificar em amador ou profissional apenas a pessoa que designa a arte de fotografar.

      Afinal, eu uso uma câmera reflex, enorme, troca lentes, é cheia de recursos mas não sou profissional.

      Excluir
    2. Vejo muito nexo no seu argumento que essa classificação não deveria existir e apoio a ideia de desconstruir, pois existe uma imensa variedade específica de maquinas

      Mas o fato é que se hoje chego em uma loja e pergunto por câmeras semi-profissionais, o vendedor me apresenta maquinas com essas características. Minha resposta não foi com o intuito de defender o oposto de suas ideias e sim de responder uma indagação sua bastante repetida, sobre o que as pessoas que usam esse termo entendem por câmera semi e/ou pró, e acredito que é uma forma comum de ver essas classificações.

      Como você fez várias perguntas sobre minha resposta, fica complicado responder, até porque, para algumas eu realmente não tenho argumento e me inclino a concordar com você, mas para o seu último parágrafo; Porquê, com a variedade de câmeras existentes, tem que ser ou pró ou semi?! Simplesmente não fazem parte destas classificações que foram postas em questão, talvez exista uma classificação pra elas, ou não... desconheço. E sim, entendo que é muito vago apenas essas duas classificações. Por fim, concordo plenamente que quem deve ser classificado como amador e profissional é a pessoa. Parabéns pela questão! Gostei muito de desconstruir isso em mim.

      Excluir
    3. Mas acredito que você não compreendeu direito minha primeira resposta, pois teve uma concordância prévia de que a classificação está na pessoa e não na maquina, e que uma maquina que está classificada, está de acordo com a necessidade que supre do usuário. Se uma Leica M9 suprir a necessidade comum de profissionais em um determinado trabalho, acabamos de encontrar sua classificação, profissional. E uma pessoa Semi-profissional, ou seja, que quer se formar um profissional mas ainda não é, faz de uma câmera seu material didático, sendo que esta precisa dispor de alguns artifícios que possibilite esse feito, esta seria chamada de Semi.

      Mas como já foi dito, concordo com a ideia de desconstruir esse conceito, ele é vago, inútil e só complica mais as coisas.

      Mais uma vez, Parabéns por todo o site, tenho aprendido muito aqui!

      Excluir
    4. Infelizmente, a gente fica a mercê de vendedores que, em 90% dos casos, não entendem nada de fotografia pois não se informam. Nesse caso eu já chego demonstrando algum conhecimento só pra ele se tocar que não vai conseguir me empurrar nada e ficar mais à vontade pra escolher o que quero.

      Mas é isso aí, aos poucos a gente vai conseguindo mudar a mentalidade das pessoas, a informação vai chegando a um número cada vez maior de gente interessada em aprender.

      Excluir
  9. Jordy, gostei tanto do texto que adicionei link pra ele nas minhas dicas para a seção de dúvidas sobre que câmera comprar, lá do fórum Digital Foto:

    http://www.forumdigitalfoto.com/threads/1885-Dicas-para-a-se%C3%A7%C3%A3o-de-d%C3%BAvidas-sobre-que-c%C3%A2mera-comprar

    ResponderExcluir
  10. Rodrigo

    Excelente seu Blog, suas postagens! Parabéns

    Considerando camêras SuperZoom, de mesma faixa de preço, qual sua opiniáo sobre Canon SX50 vs Nikon P510 vs Sony HX-200V ?

    E entre as seguintes DSLR de entrada: Nikon D5100 vs Canon T3 vs Nikon 3100 ?

    Muito grato

    Júlio

    ResponderExcluir
  11. Rodrigo,

    Ah, mais uma dúvida:

    Voce é claro quanto ao "excesso" de MPixels, ou seja, de resolução náo ser vantajoso. Pelo que entendi, isso se aplica principalmente em se tratando de sensores pequenos (como, por exemplo, os das SuperZoom). Mas e quanto a sensores maiores: APC-S, por exemplo ? Náo acha que um sensor APC-S permite se ter altissimas resoluções, dado que a densidade de pixels ainda ficará náo excessiva.

    Grato novamente

    Júlio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, você está certo, em sensores grandes não há esse problema mas há alguns exageros claros da Nikon como 24MP em reflex de entrada e 36MP em uma de suas Full-frame.

      Nas superzoom a Canon SX50 me parece bem superior às outras duas e nas reflex a Nikon D5100 pertence a uma categoria superior às outras duas.

      Qualquer dúvida é só retornar.

      Excluir
    2. Rodrigo,

      Muito grato pelo pronto retorno, esclarecedor de minhas dúvidas.

      Mais uma: voce acha que vou conseguir, mediante ajustes manuais na Canon SX 50 por exemplo, obter boa profundidade de campo, dado o pequeno tamanho do sensor ?

      Abraço,

      Julio

      Excluir
    3. A profundidade de campo é muito alta em câmeras com sensores dete tamanho, é difícil obter o desfoque de fundo, se é isso o que procura.

      Excluir
    4. Rodrigo,

      Ok, obrigado novamente.

      Sua resposta confirmou o que eu pensava. Na época das camêras náo digitais, as de filme, eu tinha SLR e adorava o efeito de desfoque do fundo que conseguia. Eu apenas fiquei a pensar se a limitação relacionada à náo obtenção do desfoque de fundo, dado o pequeno tamanho do sensor, não teria sido resolvida ou amenizada mediante o processamento digital na própria câmera. Talvez voce venha a concordar comigo que essa limitação pode ser muito frustante para a obtenção de alguns tipos de foto, pelo menos é uma importante restrição.

      Abraços

      Julio

      Excluir
    5. É uma enorme frustração e revcentemente fiz escrevi uma matéria sobre isso, está na primeira página do blog.

      Excluir
    6. Rodrigo,

      Eu náo havia percebido seu artigo sobre este ponto, vou ler o mesmo de imediato.

      Grato novamente e depois lhe escrevo mais.

      Abraços

      Julio

      Excluir
    7. Rodrigo

      Acabo de ler seu post sobre o tema da Profundidade de Campo e Fator de Corte. Excelente como vários outros seus.

      Excelente seu Blog.

      Abraços

      Julio

      Excluir
  12. Colocando lenha na fogueira: A comida é boa pq a panela é boa...ou pq o cozinheiro é bom? Concordo com suas observações sobre cameras de entrada e avançadas. Se são profissionais ou não, dependará do uso...vai te dar lucro? Vai ganhar $$$...vai trabalhar com ela? Então a camera é profissional...quem tem muito $$$ compra as top de linha...quem está começando, compra as compactas...depois as compactas avançadas...depois as DSLRs..e assim por diante...minha opnião! Parabéns pelo teu trabalho esclarecedor!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela sua presença aqui no blog. E a intenção é essa: debater e colocar lenha na fogueira!

      Excluir
  13. Rodrigo,
    Vc mantem a sua preferencia por canon SX50 frente a NIKON P600?
    Esta Nikon já é comercializada no Brasil?
    Abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A P600 começou a ser comercializada há poucos dias no exterior, ainda não tem como dar uma opinião mais embasada sobre ela.

      Excluir
  14. Se tem notícias de alguma ação da Canon diante deste lançamento da Nikon?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Superzoom de grande porte da Canon deve sair em setembro.

      Excluir
  15. Rodrigo, pode me informar novamente o modelo do para sol da Canon SX50h?
    Qual dessas duas lentes vc me indicaria para a T3i.
    Preciso de zoom e tenho R$ 1.000,00 para investir neste momento.
    EF 75-300mm F/4-5.6 III ou EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O modelo é o LH-DC60.

      A 55-250mm possui um melhor custo-benefício já que ela possui estabilizador de imagem.

      Excluir
    2. Muito Obrigado Rodrigo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Abraço

      Excluir

Related Posts with Thumbnails